(11) 2548-4603

Saiba quais são os tipos de Outsourcing em TI

Que a área de TI tem se tornado cada vez mais importante para o desenvolvimento estratégico da maioria das companhias não é nenhuma novidade. E engana-se quem acredita que o departamento de TI tem como responsabilidade somente a parte de manutenção e compra de equipamentos: o setor tem real potencial para agregar muito valor e ajudar os empreendimentos a crescer.

Em alguns casos, montar e manter um núcleo de TI requer um alto investimento de recursos financeiros e até mesmo de espaço, além da necessidade de contratação de profissionais qualificados que possam gerenciar o departamento e capacitar os funcionários. Em momentos de crise, alguns empreendimentos podem considerar o gasto com infraestrutura interna dispensável e buscam outras soluções.

O lado bom é que existem formas flexíveis de outsourcing que possibilitam que as instituições contratem serviços de Tecnologia da Informação conforme suas demandas particulares. Este tipo de terceirização permite que as empresas reduzam gastos operacionais e mantenham a qualidade dos seus serviços, já que podem contar com a assessoria dos melhores profissionais do setor.

Tipos de Outsourcing em TI

Quando falamos de outsourcing de TI, o serviço é contratado normalmente durante a fase de desenvolvimento da infraestrutura. Sendo assim, todos os procedimentos relacionados à manutenção, suporte, integração, instalação, além do acompanhamento e gestão da infraestrutura podem ser previstos por empresas terceiras.

Tudo isso com total nível de controle e de desempenho. Aliás, ainda que a contratação dos serviços seja mais recorrente quando falamos de infraestrutura, também é comum contar com a saída quando se trata de armazenamento de dados ou em serviços não tão complexos como disaster recovery.

Entre os formatos de outsourcing de TI mais utilizados, podemos destacar:

Offshore Outsourcing

Nesta modalidade, os serviços são migrados para fornecedores fora do país. Principalmente quando falamos de serviços de infraestrutura, terceirizam-se processos para nações em desenvolvimento, com alto grau de desenvolvimento tecnológico e preços mais acessíveis. O melhor exemplo dos tempos atuais é, sem dúvida, a Índia.

Gerenciamento de dados, soluções de CRM e ERP, desenvolvimento de produtos personalizados, assistência técnica, entre outros itens, figuram entre os serviços mais terceirizados, principalmente em função da garantia de qualidade do desenvolvimento, assim como dos testes. Neste sentido, a Índia se destaca pela excelência de seus profissionais.

Onshore Outsourcing

Nem sempre é necessário recorrer à ajuda internacional para contar com serviços de qualidade. Principalmente no Brasil, temos uma forma muito regional de fazer negócios e muitas vezes é preferível contar com a assessoria de uma empresa nacional, principalmente em função de aspectos como a comunicação, pagamento dos serviços, fuso horário, knowhow dos problemas locais e soluções mais adequadas.

Neste sentido, a Logical Minds é líder no setor, brindando serviços de qualidade internacional sem que seja preciso recorrer a empresas estrangeiras. Orientada a atender necessidades integrais ou parciais, atendemos inclusive sistemas web em .NET e Java para sistemas operacionais iOS e Android. A Fábrica de Testes garante uma avaliação impecável, também fabricamos softwares e a metodologia Smart Projects está a sua disposição para fazer uma consultoria detalhada orientada a resultados e aprimoramentos.

Outsourcing Nearshore e Outtasking

Pra fechar a lista de tipos de outsourcing em TI, podemos falar destas duas últimas variações. No primeiro caso, funciona como o Offshore, só que estabelecendo relações com países limítrofes ou próximos. No Caso do Brasil, é comum contar com serviços da Argentina e Chile. A diferença é que o idioma é outro e muitas vezes é melhor manter o controle dentro do próprio país.

Já no caso do Outtasking, independente do país de origem do serviço, não se contratam serviços diretamente vinculados à empresa e sim se terceirizam tarefas particulares. A gestão do processo se mantém na empresa contratante e algumas atividades são delegadas à outras instituições.