(11) 2548-4603

Saiba a diferença entre Teste, Validação e Verificação de Software

Testar um software antes que ele seja entregue ao cliente, ou disponibilizado ao consumidor final, é fundamental para que ele apresente o mínimo possível de falhas e problemas. Além disso, essa fase é crucial para verificar se ele realmente cumpre o papel para o qual foi desenvolvido.

Ao longo desse artigo você entenderá a importância dos processos de validação, teste e verificação de software. Além disso, você entenderá porque é vital realizar um teste de segurança de software sempre que possível. Continue lendo e lembre-se que nossa equipe está à disposição para tirar todas as suas dúvidas!

Validação (o software é adequado?)

Durante o processo de validação, os engenheiros de software devem entender se as especificações do que foi desenvolvido — seja de uma fase ou do sistema como um todo — são apropriadas e seguem os pré-requisitos estabelecidos durante o planejamento.

Entender se o produto realmente é capaz de atender às expectativas do cliente é o principal objetivo do processo de validação. Para que você entenda melhor, responda à pergunta: “Estamos construindo o produto certo?”. A busca por essa conclusão resume bem o processo.

Verificação (o software foi feito da forma correta?)

Existem diversas maneiras, metodologias, processos e linguagens de programação para se construir um software. Assim como no tópico anterior, nesse caso também podemos utilizar uma pergunta para entender melhor o processo de verificação de software: “estamos construindo o produto de forma correta?”

De maneira simples, a verificação consiste em avaliar se existem falhas e problemas com o software (seja no código, nas funcionalidades, interface, dentre muitos outros detalhes) antes que ele seja entregue ao cliente ou disponibilizado para o público final.

Validação e Verificação (V&V)

Quando juntamos os dois conceitos de Validação e Verificação de Software é possível avaliar se ele atende à demanda que o fez necessário em primeiro lugar e, posteriormente, se ele foi construído corretamente, sem apresentar falhas, problemas e possíveis bugs.

Para isso são realizados, dentre outras tarefas, a revisão dos requisitos, de modelos, inspeção do código e outras revisões e inspeções técnicas em geral. Uma vez que os processos de V&V estejam validados é possível passar para a parte final do desenvolvimento de um software: os testes.

Testes

O teste de segurança software é o momento em que o produto é executado (por isso a necessidade de uma versão beta) para que os engenheiros possam avaliar como será a interação do programa com o consumidor final.

Dentre os principais modelos de teste de software podemos destacar seis principais:

  • Teste Unitário – analisa as menores unidades possíveis de um software para garantir que cada parte funciona como deve;
  • Teste de integração – confere se todas (ou algumas) partes estão dialogando e funcionando corretamente em conjunto;
  • Teste de sistemas – avalia se o sistema atende aos pré-requisitos estabelecidos na concepção do projeto;
  • Teste de aceitação – esse é, normalmente, o último teste realizado e tem como premissa verificar se o software está perfeito para uso pelo consumidor final;
  • Homologação – esse processo é feito pelo cliente ou outras partes interessadas e visa garantir, uma vez mais, que o programa atende às especificidades e funciona perfeitamente;
  • Teste de regressão – garante que novos componentes de um software dialoguem sem falhas com os antigos. Fundamental para novas versões.

Ficou com alguma dúvida sobre os processos de verificação, validação e testes de um software? Entre em contato com nosso time de especialistas. Ficaremos muito felizes em atendê-lo.